O Caminho mais perto do amor é ele próprio!

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Percurso da Saudade


Saudade dói. E como dói. Saudade do avô que faleceu, do amigo que se mudou, do ex que não te ama mais, do momento que não se pode viver de novo. Saudade é um sentimento cruel porque não te dá opções: você sente e pronto. Não há muito o que fazer. Você chora, relembra, pensa, repensa, chora de novo e parece que não passa… Parece que nunca vai passar. Você tenta se animar, se distrair, mas aquilo te persegue por onde você vai.


Saudade é sentir falta de cada pedacinho da pessoa, de cada sorriso, cada palavra, cada gesto. Saudade é conseguir ouvi-la e vê-la como se ela realmente estivesse ali do seu lado. Saudade é imaginar que ainda há muitas coisas pra vocês fazerem juntos e que a distância não é a solução para o momento. É injusto. Como pode ser tarde demais? A voz da pessoa ainda ecoa no seu ouvido. Há trechos de canções que ela ainda não cantou pra você. Há pedaços de sua presença espalhados pela sua casa. Há momentos que vocês ainda não viveram. Você sente que não a abraçou o suficiente, que não a curtiu ao máximo como ela merecia ou como você gostaria. Há milhões de pessoas ao seu redor, mas você só quer aquela. Só ele Você quer gritar, mas sua voz parece que não sai. Você quer correr, fazer alguma coisa, mas parece que suas mãos e pés estão amarrados. Não há muito o que fazer: saudade dói e pronto.


Mas então o tempo passa. Tempo esse que parece ter um conchavo com a distância, como se tentasse sarar as feridas que ela nos deixou. E você se acostuma. Se acostuma com a ausência, com a falta de notícias. Faz parte da sua nova rotina e isso até te faz bem. Mas o pior de se acostumar é começar a esquecer. Você já não lembra com exatidão todas as manias daquela pessoa. Você começa a ter que rever as fotos para lembrar o rosto dela. Os lugares que antes te lembravam aquela pessoa, agora são apenas lugares. E tudo aquilo que antes era latente, se torna normal, comum.


Mas não se engane: a saudade nunca te deixa, apenas te dá uma trégua. Volta e meia ela vem, machuca mais um pouco, você chora mais um pouco, e depois ela se vai novamente. É um percurso do qual dificilmente nós nos livramos. Mas não se preocupe, o tempo sempre estará lá para nos ajudar, nos acalmar. Parece que nunca vai passar… E não passa.


Lara A. Garamond


Musica indicada


I Miss You - Haddaway


Nenhum comentário:

Postar um comentário